Experiência pioneira permite empresa não concessionária utilizar o sistema de rastreamento do Serviço Florestal Brasileiro

Experiência pioneira permite empresa não concessionária utilizar o sistema de rastreamento do Serviço Florestal Brasileiro

  • Publicado: Terça, 21 de Julho de 2020, 10h07
  • Última atualização em Terça, 21 de Julho de 2020, 10h22

A iniciativa autoriza uso do Sistema de Cadeia de Custódia para madeira serrada obtida da concessão florestal

2020 07 21 SCC dentro2

A empresa J. Martins de Oliveira obteve permissão do Serviço Florestal Brasileiro para utilizar o Sistema de Cadeia de Custódia (SCC). Parceria pioneira com usuário fora do processo de concessão florestal só foi possível porque que a J. Martins processa exclusivamente madeira obtida da concessão florestal.  

A madeireira que é parceira da Madeflona, concessionária da Floresta Nacional de Jacundá (RO), passará a utilizar o Módulo Empreendimento do SCC. Essa ferramenta permite fazer o rastreamento apenas da madeira serrada. Assim, a empresa vai receber a madeira em tora rastreada das Unidades de Manejo Florestal (UMF) do concessionário, em seguida, vai produzir madeira serrada e dar sequência na rastreabilidade dessa madeira no sistema. Isso será possível porque os pacotes ou fardos de madeira vão receber uma etiqueta com um o Qr-Code gerado automaticamente.  

É a primeira vez que uma empresa fora do processo de concessão florestal teve permissão para usar o sistema de rastreamento. A solicitação partiu da empresa Madeflona Industrial Madeireira, que tem a concessão florestal da Floresta Nacional de Jacundá, em Rondônia.  A partir da experiência piloto com a empresa J. Martins, o Serviço Florestal Brasileiro vai avaliar a possibilidade futura de estender a iniciativa a outras empresas parceiras dos concessionários.

Rastreabilidade da madeira 

Segundo o coordenador-geral de Monitoramento do Serviço Florestal Brasileiro, José Humberto Chaves, a grande vantagem da iniciativa é garantir a continuidade da rastreabilidade da madeira da concessão florestal, que sai da floresta devidamente rastreada.  

“Quando essa madeira é vendida para terceiros, essa rastreabilidade se perde pela não utilização do SCC, o que não vai mais acontecer com essa empresa. Cada vez mais a rastreabilidade é exigidapelos consumidores e2020 07 21 SCC dentro1 o SCC é um patrimônio das concessões florestais. Aumentar o volume de madeira serrada que é rastreada ao longo de toda a cadeia produtiva é muito importante para valorizar o produto que sai das concessões florestais”, afirmou José Humberto.

 As toras provenientes de concessão vendidas no mercado perdem o vínculo de rastreabilidade. A exceção é a empresa compradora da madeira adotar o Sistema de Cadeia de Custódia (SCC) do SFB, como fez a J. Martins. A expectativa do Serviço Florestal Brasileiro é ampliar a rede de parceiros locais, beneficiando as empresas próximas às áreas concedidas e criando nelas uma cultura diferente daquela historicamente encontrada. José Humberto ainda ressalta que “o rastreamento, a garantia da origem e a legalidade são os diferencias da madeira da concessão florestal”.  

Ampliar o volume de madeira da concessão florestal, que possui a rastreabilidade completa, é prioridade para o Serviço Florestal Brasileiro. Os concessionários florestais estão, cada vez mais, vendendo madeira em tora para outras empresas locais. Por isso, há a perspectiva de que outras empresas se interessem em usar o SCC, na medida em que as empresas colham os benefícios de ter a sua produção de madeira rastreada.  

O consumidor final, ao exigir a rastreabilidade da madeira, ajuda na conservação da floresta, incentivando a produção responsável de madeira, respeitando os seus limites, os trabalhadores e as comunidades locais.

Categoria:

 Contato para a Imprensa

Serviço Florestal Brasileiro
Assessoria de Comunicação
(61) 2028-7130/ 7155
imprensa@florestal.gov.br

Siga-nos no Twitter: sfb_florestal
Facebook: florestal.gov
Youtube: SFBflorestal