Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Equipes se preparam para realizar Inventário Florestal em Pernambuco

  • Última atualização em Sexta, 17 de Março de 2017, 10h59

Profissionais foram contratados para fazer trabalho de campo do IFN-PEProfissionais passam por capacitação para usar a metodologia do Inventário Florestal Nacional (IFN) em Pernambuco, a mesma adotada em todo o país

O Serviço Florestal Brasileiro (SFB) está capacitando as equipes que vão fazer a coleta de dados em campo do Inventário Florestal Nacional em Pernambuco (IFN-PE). O curso, que teve início no dia 7 de março, vai até esta terça-feira (14), na estação experimental do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), em Caruaru. Em seguida, as equipes já começam a fazer a coleta de dados.

No curso, estão sendo apresentadas as características da Caatinga e Mata Atlântica – os dois biomas que ocorrem no estado –, o funcionamento e estrutura das equipes de campo, orientações sobre a coleta do material botânico e sobre as entrevistas com os moradores, entre outros aspectos da metodologia usada no IFN.

Responsável pela capacitação e controle de qualidade do IFN, o engenheiro florestal do Serviço Florestal Guilherme Gomide acredita que os resultados vão contribuir para uma melhor gestão dos recursos florestais. “Temos uma gama muito grande de resultados com o inventário e, com o levantamento socioambiental, o IFN vai mostrar como as pessoas usam os recursos florestais. Os resultados vão facilitar esse conhecimento. Para poder manejar e trabalhar as nossas florestas, precisamos conhecer as nossas reservas florestais”, afirma.

O trabalho de coleta de dados em campo será realizado por uma empresa contratada pelo Serviço Florestal, num total de 15 profissionais, entre engenheiros florestais, biólogos e técnicos agropecuários. As equipes serão coordenadas pela engenheira florestal Carla Regina Mazzonetto, que já participou do levantamento no Ceará, Espírito Santo, Paraná e Rio Grande do Sul.

“É muito bom trabalhar no inventário, é a mesma metodologia aplicada todos os dias, mas todo dia é diferente do dia anterior. Cada dia a gente está num lugar que tem encantos na floresta, conhece a vegetação, as tipologias florestais, o clima em cada estado muda muito, a gente consegue perceber as diferenças na agricultura de um estado pro outro, os tipos de florestas, espécies diferentes e frutas. Todo um contexto que se torna muito gratificante o trabalho”, conta Carla.

Sobre o IFN

O Inventário Florestal Nacional (IFN) é uma iniciativa coordenada pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente. Em todo o país, equipes vão a campo medir as árvores, analisar sua saúde e vitalidade, coletar amostras do solo e de material botânico, entre outros aspectos. O objetivo é conhecer não só a quantidade dos recursos florestais como também o estado de conservação e a biodiversidade das florestas.

Além disso, são realizadas entrevistas com moradores do entorno das áreas pesquisadas sobre sua relação com a floresta e o uso dos recursos, como a utilização para alimentar o gado ou de lenha para cozinhar.

Em Pernambuco, o levantamento está sendo feito com o apoio do governo estadual, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). A previsão é que o trabalho de campo seja concluído em quatro meses.

Serão investidos cerca de R$ 900 mil, com recursos do Projeto GEF (Global Environmental Facility) de Apoio ao IFN, geridos pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). O governo estadual será responsável por realizar o levantamento nas 82 Unidades de Conservação de Pernambuco, com recursos de compensação ambiental, no valor de R$ 1,5 milhão. De acordo com a Semas, essa segunda etapa ainda está em fase final de liberação de recursos.

Com informações da Semas.

Fim do conteúdo da página