Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Muitas vivências e conhecimento na bagagem de volta do 25º Congresso da Iufro

  • Última atualização em Quinta, 10 de Outubro de 2019, 12h16

35 servidores do Serviço Florestal Brasileiro participaram do maior evento do mundo em pesquisa florestal e trouxeram muitas histórias

2019 10 08 vivencias bagagens iufroO 25º Congresso Mundial aconteceu em Curitiba, entre os dias 29/9 e 5/10. 2500 inscritos, de 90 países, transformaram, nesses dias, a ExpoUnimed no fórum mais qualificado sobre a ciência florestal do mundo inteiro. 35 servidores do Serviço Florestal Brasileiro fizeram parte desse time e trouxeram na bagagem de volta muito conhecimento, que será compartilhado com toda a sociedade brasileira por meio das políticas públicas a serem desenvolvidas pelo órgão.

Técnicos do Serviço Florestal participaram ativamente como pesquisadores e expositores nos minidebates e eventos paralelos (os famosos minitalks e side events, respectivamente), mesas técnicas, mini plenárias e reuniões diversas. Além disso, divulgaram os programas do órgão nos estandes montados no Espaço Brasil e na Feira da Sociobiodiversidade.

O analista ambiental da Diretoria de Cadastro e Fomento Florestal (DCF), Bernardo Trovão, que além de ter participado do minidebate sobre o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Cadastro Nacional de Florestas Públicas (CNPF), ajudou a divulgá-los no estande da diretoria. Bernardo já participou de outros grandes eventos sobre pesquisa florestal, inclusive como palestrante. No entanto, chamou sua atenção, neste Iufro, a quantidade de profissionais renomados e de altíssimo nível que se interessaram pelo CAR.

“Muitos pesquisadores quiseram entender como foi construída a base do CAR, como foi implementado pelo ponto de vista legal e técnico e como é feito o acompanhamento das informações. A ampliação das redes de relacionamento técnico construído e o próprio aprendizado profissional adquirido compensaram o cansaço do trabalho no Congresso”, afirmou.

2019 10 08 vivencias bagagens iufro 2A analista ambiental da Diretoria de Concessão Florestal e Monitoramento (DCM), Luisa Resende, destacou a importância do intercâmbio de conhecimento e informações dentro de um evento dessa abrangência e que contou com a presença de pesquisadores e empresários do mundo inteiro. Além disso, ressaltou a possibilidade de identificar o que outros países estão fazendo, que apesar de parecido não é igual, além do interesse pelo sistema de rastreamento da madeira. “O Congresso não acabou em Curitiba e portas vão se abrir para futuras parcerias”, completou.

Pela primeira vez num congresso mundial, o estudante do curso de Engenharia Florestal da UnB e estagiário da DCM, Alexandre Toledo, disse que só foi possível participar por causa do Programa de Voluntariado do Congresso da Iufro 2019. Por este programa podiam se inscrever estudantes de graduação e pós-graduação do curso de Engenharia Florestal ou áreas afins, que falassem pelo menos dois idiomas e que tivessem disponibilidade para uma jornada de 4 horas diárias de trabalho no congresso. A seleção ficou a cargo do Comitê Organizador do Congresso. “Para mim, o essencial que levo daqui é o conhecimento de outras realidades internacionais e ter podido mostrar ao mundo que o Brasil está fazendo o manejo sustentável das suas florestas”, disse Toledo.

600 estudantes, em sua maioria de escolas públicas de Curitiba, visitaram o espaço de exposição e a feira da sociobiodiversidade. No percurso pararam no estande do Cadastro Ambiental Rural onde receberam informações sobre o programa. O servidor da DCM, Gustavo Oliveira, conversou com alguns dos estudantes. “Destaco nesse congresso a oportunidade de compartilhar conhecimentos e ajudar os jovens do Brasil em um tema tão relevante para o nosso planeta como as florestas”, disse. Além disso, o servidor ressaltou o nível elevado das palestras dadas por cientistas de projeção internacional.

Apoio Institucional

2019 10 08 vivencias bagagens iufro 3O analista ambiental do Laboratório de Pesquisa Florestal, Fernando Gouveia, disse que, apesar dos títulos acadêmicos em nível de mestrado e doutorado que obteve ao longo da sua vida profissional, foi a primeira participação num evento dessa magnitude pois, historicamente, nunca houve esse apoio dado. Para Gouveia, após a participação em um evento desse porte, os pesquisadores, a partir do conhecimento adquirido, podem redirecionar seus estudos e, também, estabelecer contato com outros cientistas e instituições.

“O apoio institucional para a participação em congressos como este não pode ser visto como gasto, mas investimento que será revertido para a sociedade, para o órgão e para o servidor, que será um instrumento de intercâmbio de conhecimento com a equipe de base”.

A engenheira ambiental e servidora do Serviço Florestal Brasileiro da Diretoria de Pesquisa e Informações Florestais (DPI), Juliana Mendes, desempenhou um trabalho significativo na organização do Iufro. Assessorou o presidente do Comitê Organizador do Congresso Mundial da Iufro, Joberto Veloso, na articulação com parceiros, participou de outros eventos em pesquisa florestal para divulgar o congresso mundial, fez o Termo de Referência para a contratação da ExpoUnimed, fez o planejamento do estande da Diretoria de Pesquisa e Informações Florestais, além do material impresso divulgado no evento e fez o projeto gráfico do livro Bioeconomia da Floresta – A conjuntura da Produção Florestal Não Madeireira do Brasil.

Juliana é servidora há quase 7 anos e já ajudou na organização de outros eventos quando trabalhou na Coordenação de Comunicação, no entanto, as experiências anteriores não foram nem parecidas como as desse trabalho. Para a servidora, “O que mais aprendi foi a importância da articulação para organizar e produzir um evento deste porte. Certamente, será possível construir novos projetos a partir das parcerias feitas com a Secretaria da Agricultura Familiar, a Conab, a Embrapa e com o próprio Ministério da Agricultura. Além disso, foi possível dentro desses órgãos colocar o Serviço Florestal em evidência por ter sido um dos anfitriões locais”.

Conectando pessoas

“Poder participar do Congresso representando o Serviço Florestal Brasileiro foi uma experiência muito enriquecedora”, afirmou a analista ambiental da DPI, Ana Laura Trindade. Para ela, o trabalho como expositora do IFN, no Espaço Brasil, possibilitou mostrar aos participantes o que é desenvolvido pela Gerência Executiva de Informações Florestais, em relação ao Sistema Nacional de Informações Florestais – SNIF. Ana Laura também destacou a divulgação do livro de bolso “Florestas do Brasil em resumo 2019”, lançado durante o Congresso.

“Foi muito gratificante observar o bom recebimento do livrinho, como várias pessoas já conheciam e possuíam versões anteriores, inclusive mencionando que as usavam para consulta. Isso reforça o fato de ser uma publicação importante e de conteúdo relevante e atrativo”, completou. Além de ter trabalhado no estande, Ana teve a oportunidade de participar de um Grupo de Trabalho sobre Bioeconomia e Produtos Florestais Não Madeireiros (PFNM), junto com a também servidora Sandra Afonso.

2019 10 08 vivencias bagagens iufro 4  “O Congresso da IUFRO é um evento grandioso, não só pelo número de participantes, mas pela variedade de assuntos abordados e pela quantidade de apresentações que acontecem, uma programação muito intensa. O objetivo de conectar floresta, ciência e pessoas com certeza é atingido. É muito interessante observar a interação dos representantes de diferentes países, apresentando seus trabalhos, compartilhando experiências, buscando inspirações, trocando contatos”, finalizou Ana Laura.

Foram dias intensos de trabalho entre produzir as apresentações técnicas de cada profissional, produzir o material de divulgação das diretorias e do Serviço Florestal, montar os estandes, trabalhar como expositores no Espaço Brasil explicando as ações do órgão, entregar o material de divulgação, desmontar os estandes e voltar para casa. Esse trabalho todo não começou no dia 29 e tampouco terminou no dia 5/10. O conhecimento e as experiências adquiridos vão se agregar ao desempenho profissional de cada servidor, serão disseminados dentro do grupo de trabalho e se transformarão em políticas públicas a serviço da gestão florestal no Brasil.

O Congresso Mundial da Iufro acontece a cada 5 anos. A próxima edição vai acontecer em 2024, na capital da Suécia, Estocolmo.

Veja como foi a participação do Serviço Florestal Brasileiro na Iufro 2019.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página